Páginas

terça-feira, 19 de agosto de 2014

IRMÃOS METRALHA

No Planeta Robô em Robocópolis, uma cidade muito grande, composta por aço, ferro e metal, cheia de construções, havia dois ladrões robôs chamados: ZÉ METRALHA e seu irmão CHICO METRALHA, mais conhecidos como os irmãos Metralha.
Eles não usavam roupas para se camuflar no
ambiente. Também havia um delegado casca grossa chamado PEDRÃO.
       Certo dia o delegado saiu para almoçar, e os bandidos o seguiram, esperaram ele entrar no restaurante e declararam assalto. Tamparam sua boca e o levaram até o local aonde ia matar, o mataram e sairão do local do crime. Então a cidade de ROBOCÓPOLIS virou um inferno pelo menos até a chegada de outro delegado.
       A chegada desse novo delegado foi triunfal, ele declarou guerra ao crime, mas os feitos dele você só descobrirá na próxima aventura.

 



 
Autora: Bianca L. Machado - 4º ano A Ciclo II
 

A MANSÃO ASSOMBRADA

          Certo dia eu e meu pai fomos visitar a mansão da minha avó, lá tem muitos quadros, é enorme tem uma escada gigante, chegando ao final da escada há um quarto que era da minha avó Maria e do meu avô José que morreu.
            A minha avó Maria tem cabelos pretos e cacheados, meu avô José era meio careca e tinha cabelos brancos, eu Ana tenho cabelos longos e pretos e gosto de usar o cabelo amarrado no alto da cabeça. Sou uma menina feliz. O meu pai se chama Felipe é legal, tem cabelos pretos e olhos verdes.
Minha avó e o meu pai, saíram para ir ao mercado e enquanto isso eu estava sem ninguém na mansão, de repente eu ouvi um barulho e fui ver o que era, percebi que era um fantasma que parecia muito com o meu avô, no começo achei que era imaginação, mas quando fui abraçada não senti seu corpo, então sai correndo, pois, morro de medo de fantasma, ele também saiu correndo atrás de mim para conversar, mas eu não tinha ideia que um fantasma poderia falar.
Resolvi parar de corre para falar com o fantasma, no começo fiquei assustada, mas depois me acostumei com a ideia. Conversamos sobre a morte, que é um assunto que todos têm medo. Falamos sobre a saudade que ele tem da minha avó e das coisas engraçadas que aconteceram no passado.
Quando minha avó e meu pai voltaram do mercado, o fantasma do meu avô desapareceu rapidamente e todos acharam que a minha história era fruto da minha imaginação.
 


 
Autores: Taina Santos, Maria Clara, Júlia Galvani, Allexandro Queiroz - 4º ano A - Ciclo II

SCHAUER E SUAS AVENTURAS INESQUECÍVEIS

Numa casa simples morava um menino chamado Schauer, que era um menino de cabelos loiros e olhos verdes. Um belo dia, indo para escola viu um cachorrinho e resolveu ajudar, decidiu leva-lo para sua casa.
No outro dia ele foi para escola novamente, quando chegou viu que o cachorrinho tinha bagunçado tudo, Schauer correu para arrumar antes que sua mãe chegasse.
Quando sua mãe chegou estava tudo arrumado e limpinho o nome dela era Gisele, correndo foi para o quarto para elogiar seu filho, ao entrar viu o cachorro e disse:
—De quem é esse cachorro? Schauer respondeu:
         —É meu mãe! Eu posso ficar com ele?
—Pode sim filho, desde que cuide dele direitinho!
—Ok mamãe! Disse Schauer pulando de alegria.
No mesmo dia Schauer comprou tudo que precisava para cuidar do cachorrinho então foi para sua casa, arrumou tudo, acomodou o cachorrinho e deu-lhe o nome de Bob.
Bob fugiu e Schauer desesperado  procurou bob por toda a cidade até encontrar. Bob estava à beira da morte, ia cair em um penhasco, mas Schauer salvou Bob e os dois voltaram para casa. Schauer e sua família ficaram felizes com a volta de Bob e passaram a tratar Bob como um membro da família. Afinal cachorro também é gente, não pensa, mas entende.
 
 
AUTOR: MATHEUS SCHAUER - 4º ANO A - CICLO II

terça-feira, 12 de agosto de 2014

A CASA MAL ASSOMBRADA


Numa noite um bruxo fazendo porção pra o cachorro do Halloween para pegar os mesmos sangues de cinco cachorrinhos para libertar os fantasmas do além. A polícia chegou à mansão, um dos cachorrinhos se chamava Pipi, ele ia ser o primeiro a entrar no portal quando o cachorrinho falou: eu não quero ser o primeiro a entrar, o bruxo falou que ele ia ser sim foi quando o cachorro ouviu o dono chamando. O dono não chegou a tempo, o pipi virou uma estatua e depois um virou um fantasma.
 
CAUÊ DOS SANTOS AZEVEDO - 5º ANO B - CICLO II

O FILME DE TERROR

Numa tarde ensolarada, eu e mais quatro amigas resolvemos ir ao cinema, chegando lá nós compramos os ingressos e fomos comprar pipoca e vimos que não tinha ninguém para atender, mas quando eu apertei a campainha de atendimento rapidamente apareceu uma pessoa toda ensanguentada. Perguntamos o que tinha acontecido, mas ele não respondeu então eu peguei bastante papel e fiz bolinha de papel e falei para as minhas amigas jogar nele. Mas senti que uma pessoa me cutucou e quando olhei para trás tinha mais quatro pessoas ensanguentadas, então fui para o banheiro e tranquei a porta. Quando fui lavar as mãos o chão se abriu, fechei os olhos e depois de um minuto abri o olho e vi que tudo não passava de um filme de terror.
 
Autora: Melyssa Alabi V. dos Santos - 5º ano B - Ciclo II

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Aventura em Lugares Diferentes


 Um dia no Pantanal eu e meu amigo fomos acampar, então armamos a barraca e fizemos e a fogueira depois foi dormir. No dia seguinte nós pegamos nosso jipe e fomos explorar a floresta e no caminho vimos um tuiuiú. Então a Ana falou:
—Vamos tirar uma foto dele?

—Vamos sim. Disse Cauã.
 E continuamos andando.  No caminho eu e Ana caímos na armadilha de índios, depois de um tempo um explorador nos tirou da armadilha e deu comida pra Ana e continuou com a gente na aventura e no caminho encontramos um buracão bem largo, mas eu e o explorador construímos uma ponte e nós três passamos pelo buracão.

Continuando a caminhada, de repente um tigre apareceu e corremos até uma casa abandonada, quando entramos tinha sangue em todo lado, então passamos a noite na casa abandonada.
 Ao amanhecer acordamos amarrados por homem barbudo e maluco, depois de um tempo ele saiu para e eu peguei uma faca e cortei a corda, dei a faca para Ana e ela saiu sozinha. Saímos da casa e no caminho encontramos o homem barbudo, saímos correndo e pisamos numa armadilha e fomos pegos pelos portugueses, como o home barbudo era louco, os portugueses nos soltaram e fomos embora de lá.
Quando estávamos no meio da floresta nós começamos andar e demos de cara com um dinossauro enorme de 100 metros.  Então a Cauã disse:
 —Corre!
 AÍ nós fomos embora para casa do homem barbudo e na volta para casa ouvimos um barulho estranho, corremos o mais rápido possível e o enorme gigante dragão começou a soltar fogo e correr atrás da gente e ai ele virou pedra e cai no chão e então nós começamos a caminhar e até que enfim nós vimos um avião caído no meio da floresta e aí nós fomos ver se estava em boa condição para ficar uma noite e então nos entramos e vimos muitos pássaros e ratos e um ninho de abelhas e começamos a andar e então vimos duas placas dizendo direita e esquerda. E fomos para direita e lá tinha uma ravina cheia de minérios tipo ferro , diamante.
E voltamos e fomos para a esquerda e era um bioma de neve e tinha vários soldados de uma vila e paramos para se hospedar na vila. No dia seguinte fomos continuar nossa aventura, mas nós viemos com um amigo no caminho e ele era de Portugal, estava numa jornada de exploração aos índios, mas quando chegaram lá os portugueses e o amigo tinha voltado ao tempo em 1500 quando descobriram o Brasil até quando o Brasil ficou independente de Portugal. Ele viajou para 1822 quando a escravidão do Brasil começou. Então viu que não ia dar sucesso que voltou para 2014 e deixou a sua vida de explorador e se tornou cientista e vendeu sua máquina.
 


AUTORES: ANA LUIZA SILVA E CAUÃ FERNANDES SANTOS - 4º ANO B - CICLO II

AVENTURA ENTRE AMIGOS


Havia três amigos chamados: CAUÃ, FERNANDA E ANA LAURA. Eles foram para uma floresta e construíram uma casa de madeira para passar a noite. De manhã eles foram explorar a floresta e levaram lanterna caso passassem por uma caverna, corda se fossem escalar uma montanha, madeiras se  passassem  por um  rio e precisassem construir um barco  e o lanche para não passarem fome. No caminho encontraram uma árvore muito bonita, cheia de frutos. Pegaram alguns frutos porque  se acabasse o lanche que já havia na mochila deles teriam as frutas para comer. De repente apareceu uma serpente gigante, a CAUÃ pegou um pau e amarrou o pau em uma corda que estava na mochila e começou a bater na cobra até ela sumir no mato. E continuaram a caminhada, enquanto estavam andando o pé da FERNANDA escorregou em uma pedra e caiu dentro de um buraco muito fundo que estava entre as pedras.  Ela não conseguia sair do buraco, porque seu pé estava machucado, então o CAUÃ se lembrou da corda que estavam levando e com ela conseguiram tirar a FERNANDA.  A ANA LAURA tinha uma pomada na sua mochila, pegou rapidamente passou no pé da FERNANDA para ela poder continuar a caminhada.
Continuaram andando na direção da montanha, quando estavam quase chegando no seu topo veio uma tempestade de neve, para a sorte de todos tinha uma caverna perto do local onde eles estavam. Rapidamente chegaram até a caverna para se protegerem da tempestade, fizeram uma fogueira com as folhas de árvore e passaram a noite lá. Eles estavam muito longe de suas casas.    
  No dia seguinte, parou a nevasca e quando acordaram tinha uma grande ursa parda dormindo bem em frente da caverna.  Enquanto ele estava dormindo, aproveitaram para sair cuidadosamente.  O que eles não sabiam é que a ursa estava em serviço  de parto, quando eles iam saindo a ursa começou a gemer, Ana Laura  tinha  feito curso de medicina veterinária e  sabia que eles iam se machucar,  ela estava  preparada, então  fez o parto da ursa e saíram escalando a montanha. 
De volta para casa eles se perderam no caminho, fizeram um percurso diferente,  encontraram um buraco muito grande que tinha uns  cipós e com os cipós atravessaram o buraco e foram caminhado...   Um rio enorme apareceu e tinha um barco pediram ajuda para o dono do barco. Com a ajuda daquele homem, navegaram até chegar ao outro lado do rio.  Mais a frente  tiveram que atravessar uma ponte, mas quando foram atravessar a  ponte  desmoronou,  a Fernanda  segurou a mão da Ana Laura que estava segurando a mão do Cauã, que esta      segurando uma madeira forte, com essa madeira puxou as duas para a superfície. Quando estavam voltando para São Paulo pararam e apreciaram uma cachoeira. 
 
 
 
AUTORAS: BÁRBARA VERNIL E ANA LAURA BORSANDI - 4º ANO B - CICLO II